domingo, 17 de março de 2013


Integração de Mídias e Prática Pedagógica



A educação escolar pede urgência na atualização e adaptação do ensino aos novos recursos tecnológicos, para que assim, ampliem-se as possibilidades do alunado em se integrar ao mundo de hoje de forma consciente e menos alienada.
No entanto, essa integração das novas mídias na escola, deve ser feita de forma organizada e não aleatória. É necessário, primeiramente, que o professor tenha um preparo técnico, para conhecer na prática, como funciona cada um dos recursos que poderá utilizar no desenvolvimento dos conteúdos curriculares. Não se deve utilizar-se das mídias de forma mecânica, sem que isso contribua para o desenvolvimento do aprendizado do aluno.
Uma proposta interessante é que o professor trabalhe, conjuntamente com colegas de outras disciplinas, trocando experiências, saberes e proporcionando ao aluno uma visão mais ampla do conhecimento.
O professor, para ter sucesso na integração da tecnologia e das mídias na sua prática pedagógica, precisa antes se preparar, planejar, projetar sua prática. Através do projeto é possível se prever os caminhos a seguir e as prováveis dificuldades que poderão surgir no percurso de realização do projeto. Sendo assim, pode-se antecipadamente pensar nas soluções sem atrapalhar o andamento da aprendizagem do aluno. Também é preciso que o professor esteja aberto para aprender junto com seus alunos, seus colegas de trabalho, pesquisar sobre o assunto em questão, para que assim ele possa contribuir e interagir com seus alunos.
A sala de aula deve se tornar um ambiente de troca de experiência e não de, apenas, repasse de conhecimento. O aluno deve aprender, com o professor, a pesquisar e selecionar as informações, dessa forma ele se sentirá seguro para realizar melhor suas escolhas. 

27 comentários:

  1. Parabéns pela inciativa Flávia! As novas tecnologias são uma realidade e a escola não pode, e nem deve, ficar ficar à margem desse processo de transformação, pois a mesma é um espaço de mudanças por excelência. Precisamos nos empenhar no desenvolvimento de práticas educacionais que visem posicionar o aluno na condição ator no processo de aprendizagem, e não como coadjuvante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Keliene,
      gostaria que todos os educadores tivessem essa visão que você tem, pois a inovação deve começar, primeiramente, dentro de nós professores para poder chegar até a sala de aula.

      Excluir
  2. Parabéns Flávia pelo seu trabalho, vale ressaltar que é imprescindível que os educadores, na realidade atual, possuam conhecimentos, não necessariamente tecnológicos específicos, mas que sejam suficientes para contribuir com os assuntos inerentes à sua disciplina. O educador deve estar sempre atento aos avanços dentro de sua área de atuação, pois é notório o interesse dos nossos estudantes pelas ferramentas tecnológicas, pelo computador, e dessa forma, as atividades em sala de aula podem ser ampliadas consideravelmente se o professor utilizar com eficiência e criatividade os recursos oferecidos pelas tecnologias digitais, de sorte a motivá-los a se transformarem, juntamente ao professor, em agentes do próprio processo de aprendizagem, exercendo dessa forma o papel de protagonista. É fundamental não deixar o curso exclusivamente acadêmico com ênfase mais na aquisição do conteúdo. É preciso considerar o conteúdo a partir de uma visão mais interativa, mais rica em práticas pedagógicas que valorizem a reflexão e a criatividade, bem como as parcerias pedagógicas entre os educadores.
    Nesse sentido a aprendizagem por projetos é uma alternativa de trabalho em sala de aula que procura superar as práticas tradicionais levando em consideração que o estudante deve ser o sujeito da sua própria aprendizagem e saiba utilizar seus saberes em situações do cotidiano. Esta aprendizagem configura um processo dinâmico possibilitando a formação de sujeitos participativos e autônomos contrariando a forma de aula tradicional. O trabalho por projetos leva o estudante a pensar, refletir, questionar, responder nas mais diversas situações que sugerem a aprendizagem por projetos, tais como: organizar ideias; fazer um diagnóstico sobre uma dada realidade; encontrar respostas ou soluções para determinadas questões ou problemas; ou até mesmo desenhar uma proposta de aperfeiçoamento, de intervenção ou transformação para mudar uma determinada situação ou realidade encontrada.

    "Aquele que consegue fazer coisas difíceis parecerem fáceis é um educador." (Ralph W. Emerson)



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elizenda, foi muito interessante seu comentário, principalmente porque veio complementar o meu texto e o da Keliene. Sobre o trabalho com projetos, realmente é muito significante que o professor faça uso dessa modalidade de ensino, pois é planejando que se prevê os prós e contras de todo trabalho. O projeto permite ver além do momento atual e possíveis dificuldades podem ser solucionadas mais facilmente. De fato, adaptar-se às novas tecnologia é um desafio que o professor de hoje tem que encarar com muita garra e vontade de aprender.

      Excluir
  3. Flávia, quero parabenizá-la pelo Blog e também deixar um questionamento para você e seus colegas educadores: É comum vermos hoje, alunos antenados, tecnologicamente falando, com baixo rendimento escolar. Será que esse baixo rendimento é de todo culpa do aluno, ou será que a escola tem culpa quando não se faz atraente e atualizada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Walter, obrigada! Respondendo ao seu questionamento, acredito que a educação escolar está necessitando de mudanças que se tornam urgentes, ao passo que a tecnologia avança e conquista cada vez mais espaço no mundo e na mente das pessoas. Nossos alunos atuais são totalmente diferentes dos alunos de anos atrás, que não tinham esse leque de opções tecnológicas ao alcance das mãos e economicamente acessíveis. Sendo assim, surge por parte deles, e da sociedade como um todo, uma inquietação com relação à escola, que insiste no ensino tradicional. Mantendo-se alheia às mudanças, a escola não se adapta e acaba perdendo a credibilidade por parte de sua clientela, os alunos. A questão não é quem tem culpa e sim a existência de uma falta de compatibilidade entre as expectativas da escola tradicional e dos alunos oriundos da sociedade da informação. Agradeço sua visita, até logo!

      Excluir
  4. Parabéns, Flávia. É através destas práticas pedagógicas que discentes e docentes tendem a criar mais expectativas, transformando a educação. É com novas tecnologias que esperamos um desenvolvimento capaz de diferenciar a sala de aula, como projetos, participação maior de nossos alunos. Ideias renovadas, novas atitudes , projetos fazem com certeza a diferença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Itamara, agradeço sua contribuição. Estou feliz por ver essa discussão se ampliar e se tornar produtiva com a participação de professores comprometidos, como você. Obrigada e apareça sempre :)

      Excluir
  5. PARABÉNS PROFESSORA FLAVIA, O PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL ESTÁ DIRETAMENTE LIGADO E PLUGADO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA, É PARTE INTEGRANTE DA EDUCAÇÃO NA ATUALIDADE, LOGO ESTE PROCESSO PARTE DE NÓS PROFESSORES QUE DEVEMOS INTRODUZIR, E REALIZAR PROJETOS COM AS NOVAS TECNOLOGIAS DENTRO DA REALIDADE DOS NOSSOS ALUNOS TORNANDO-OS CADA VEZ CIDADÃOS MAIS CRÍTICOS E ATUALIZADOS COM OS AVANÇOS DA SOCIEDADE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Wescley, se nós professores não nos comprometermos com o uso conscientes das tecnologias na educação, nossos alunos não terão o preparo adequado para o uso produtivo dessas ferramentas. Precisamos formar cidadãos preparados para essa sociedade que aí está: a sociedade da informação. Obrigada por sua contribuição. Comentários como o seu, só enriquecem esse espaço.

      Excluir
  6. A tecnologia deve a todo momento ser empregada no ambiente escolar, com o intuito de dinamizar otimizar o trabalho dos profissionais da educação e proporcionar ao aluno um ensino de qualidade. Utilizando as diversas ferramentas tecnológicas de forma adequada, o professor poderá transmitir os conhecimentos de uma forma mais prazerosa.
    Parabéns pela excelência do trabalho professora Flávia!
    Ass: Sarah Taumaturgo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Sarah, quando nos utilizamos de recursos que os alunos conhecem e gostam, a dinâmica é muito mais produtiva. Obrigada pelo seu precioso comentário.

      Excluir
  7. Iolanda de Sousa Barreto19 de março de 2013 10:13

    Fundamentalmente,enquanto educadora, sei da importância de minha atuação junto aos alunos para que estes possam evoluir tanto com relação a sua instrução como na atuação social. Dessa forma, cabe a mim, e acredito a todos os educadores, estar em constante formação, aprofundando os conhecimentos quanto aos temas em estudo, apreendendo novas técnicas e metodologias que possam melhor motivar os educandos na construção do conhecimento, mas também pensar, questionar, criticar, abordar e discutir temas de relevância na área educativa, como o fazemos agora nesse espaço tão bem pensado e construído pela colega Flávia Sirino.
    Sem dúvida, Flávia, na atualidade, as novas tecnologias têm cada vez mais dominando o cenário global e a educação não pode ficar à margem. Para tanto, as escolas precisam estar equipadas com as novas ferramentas tecnológicas e os professores aptos, capacitados para o trabalho com estas, a fim de se usufruir de todo o potencial que estas inovações podem propiciar.
    Agora quero também registrar a minha opinião no que concerne à educação pública brasileira: acredito que esta precisa avançar muito no sentido de se tornar realmente democrática e assegurar as mesmas chances e oportunidades a todos os seus sujeitos e destes em relação às outras esferas da sociedade. O que se constata no interior de nossas escolas não é nada animador, na verdade é uma extrema carência, um grande atraso destas não apenas com relação às NOVAS TECNOLOGIAS, mas também às metodologias, aos recursos humanos e materiais, à infraestrutura, e muitos outros elementos essenciais ao eficaz andamento dos processos de ensino e de aprendizagem. A instituição escolar pública pede urgência quanto à implementação de um plano de ação que contemple a qualidade num serviço tão essencial quanto o educacional, e isso, certamente, passa pela atualização do ensino aos novos meios digitais, que, convenhamos, há muito já estão implantados na sociedade. É uma pena que este pedido, como tantos outros em nosso país, não seja atendido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tocou num ponto muito delicado da nossa realidade escolar, Iolanda. Realmente, do que adianta o professor estar preparado para trabalhar com as novas ferramentas virtuais de aprendizagem se a estrutura escolar não permite esse trabalho. É lamentável, mas isso é uma realidade e precisa ser mudada, ou a escola ficará sempre aquém do que a sociedade deseja e precisa. Muito produtivo seu comentário, obrigada.

      Excluir
  8. Parabéns professora Flavia, é um projeto de fundamental para ser desenvolvido com os nosso alunos da ERA TECNOLÓGICA,sabemos que muitas vezes a sala de aula torna-se um espaço monótono, acredito que as novas tecnologias poderá dinamizar as aulas tornando-as mais atrativas e interessantes.

    Adriana Dantas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Adriana, temos que sempre procurar meios para tornar a aprendizagem produtiva e prazerosa. Todos ganham com isso. Obrigada por participar desse diálogo conosco, aqui no blog.

      Excluir
  9. Parabéns Flávia pelo texto. Você traz questões pontuais que precisam ser debatidas. Concordo plenamente que é urgente a necessidade de inclusão das novas tecnologias em sala de aula, pois estas já fazem parte da vida cotidiana dos alunos e também de nós professores e dessa forma precisam ser utilizadas como forma de motivação e estimulo para uma melhor aprendizagem. Mas isso só poderá ser feito de forma eficiente se os professores tiverem uma formação apropriada, como você vem coloca no texto. Eu complemento sua colocação afirmando que não pode ser uma formação superficial, ou de apresentação teórica destas tecnologias, mas tem que ser uma formação que viabilize a interação entre teoria e pratica, pois desta forma o professor estaria mais seguro para usar tais ferramentas e também escolher a que for mais adequada para os diferentes momentos. Percebo que as novas tecnologias em especial a internet, deve ser desvinculada do conceito de passatempo ou de recreação/lazer é preciso desenvolver com os alunos principalmente do fundamental II um orientação para a busca e seleção de informações na rede e tal objetivo será bem alcançado se o professor estiver seguro do que faz.

    Geovanna Cristina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geovanna, na sua reflexão, você toca em um ponto importante que, infelizmente acontece muito em nossas escolas: internet usada como passatempo. Isso acontece justamente pela falta de formação eficiente para os professores, como você bem colocou. A estrada é longa, mas a partir dessas reflexões estamos formando uma consciência fundamental para a mudança. Obrigada pelo pertinente comentário.

      Excluir
  10. Flávia

    Gostaria de contribuir com algumas SUGESTÕES que poderá ser implantada em sala de aula, são técnicas próprias para convivência grupal e socialização a qual podemos trabalhar qualquer TEMA, em qualquer DISCIPLINA, desenvolvendo o potencial criativo dos educandos/educadores trabalhando colaborativamente.
    1º - TEMPESTADE CEREBRAL:
    Cada educando deverá escrever duas palavras “significativas” sobre o conteúdo trabalhado envolvendo o TEMA EM ESTUDO. Essas palavras serão compartilhadas com o grupo e utilizadas na produção de um novo texto (que poderá ser individual ou coletivo).
    2º - HISTÓRIA EM PEDAÇOS:
    Dado o início de uma história, um dos participantes começa a história que é continuada por seu colega. Cada um cria um pedaço da história com a temática desejada. Cada educando deve ficar bem atento ao desenvolvimento da história para não perder o fio da meada, com uma sequência lógica, não desviar do assunto, até que todos participem e dêem um desfecho interessante e surpreendente à história. Segue um exemplo para o início da história: por exemplo se a temática é “PREVENÇÃO DO USO DE DROGAS NA ESCOLA”
    O consumo de drogas cresce consideravelmente a cada dia e sua prevenção é de fundamental importância para ...
    3º - ACRÓSTICO VIRTUAL:
    É uma dinâmica que tem a finalidade de desenvolver a criatividade, identificar elementos essenciais relacionados ao tema e aplicar o conhecimento de forma descontraída. A partir das palavras – chave, por exemplo, “EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS” na atividade estudada, elaborar um acróstico empregando conceitos, frases, ideias, palavras-chave, reflexões sobre o assunto, entre outros.
    4º - VÍDEO EDUCATIVO;
    O vídeo educativo como instrumento didático, como meio de expressão e comunicação, muito ajuda o professor na construção do conhecimento, uma vez que explora o ver, o visualizar, contribuindo de forma positiva para interação entre educador e educando na produção de programas informativos pelos próprios educandos, numa dimensão moderna e lúdica dentro de qualquer disciplina, numa perspectiva de trabalho interdisciplinar, explorando o tema sugerido e expostos no ambiente escolar para apreciação de toda a comunidade.
    5º - CINEMA:
    Vale ressaltar a importância do cinema para divulgar e trabalhar o tema proposto em questão, pois, os filmes, quando produzidos numa concepção de documentário, ou seja, retratando situações da sociedade são desligados de seu fim como espetáculo e entretenimento, podem ser vistos como reveladores de valores e significados culturais, e nesse sentido, com potencial educativo, daí a importância didática com relação a produção cinematográfica, que se reveste de inúmeras possibilidades para sua utilização como recurso didático pedagógico em sala de aula, levando o observador/leitor/educando a posicionar-se numa concepção mais crítica e reflexiva, socializando, questionando, assim, admite-se a existência de uma importância didática ligada às produções cinematográficas, independente de sua especificidade, levando o educando a ter um olhar diferenciado e refletir mais criticamente sobre a temática abordada em questão.
    Então, o grande desafio para todos nós educadores é como promover uma aprendizagem longe das garras do tradicionalismo, do conteudismo, do autoritarismo e da violência psicológica e simbólica ainda vigente no nosso sistema educativo. Sabemos também que existe sim, uma fragilização das relações nas dimensões: familiares, comunitárias, social, política e afetiva, gerando uma desagregação e agredindo valores fundamentais para uma sociedade que clama por paz, justiça, solidariedade, inclusão social, desenvolvimento sustentável, respeito às diferenças, e principalmente uma educação de qualidade para todos.
    Lembrando as palavras do educador Paulo Freire, quando afirma que “Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre.”

    Abraço
    Elizenda Sobreira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elizenda, mais uma vez você está contribuindo com este espaço de aprendizagem. Obrigada pelas valiosas sugestões. Tenho certeza que servirá de base para muitos colegas que po aqui passarem. Abraço e volte sempre!!

      Excluir
  11. Oi Flávia!
    Que consciência transformadora! “A sala de aula deve se tornar um ambiente de troca de experiência e não de, apenas, repasse de conhecimento”. Parabéns!
    http://jefhcardoso.blogspot.com lhe convida e espera para ler e comentar “O Grande Circo Nonsenese – A Incrível Mulher da Boca Torta”. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jefferson, obrigada!! Participe sempre dos nossos debates !

      Excluir
  12. Parabéns Flávia.
    Acredito que a tecnologia veio para acrescentar coisas boas e gerar com isso frutos positivos. Como disse Keliene, não podemos deixar que o aluno faça o papel apenas de receptor,mas sim, que ele possa interagir expondo suas ideias e opiniões.
    Quando todos fazem sua parte, os resultados são nítidos e fazem a diferença assim como você esta fazendo. As vezes o novo nos traz um certo receio, receio esse que é colocado em escanteio sempre que percebemos quão importantes são os benefícios que aquele novo pode nos trazer.
    Se todos falássemos a mesma língua e caminhássemos juntos, poderíamos fazer uma diferença significativa na educação. Espero que com tantos recursos que dispomos, possamos ser melhor cada vez mais.
    Parabéns pela iniciativa e apesar dos altos e baixos nunca desistir.
    Beijo.
    Lília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lilia, obrigada por expor aqui suas reflexões acerca do texto lido. Fico feliz em saber que mais e mais professores estão antenados quanto às demandas da educação atual. Agradeço sua visita e sua grandiosa contribuição para o blog.

      Excluir
  13. Excelente Flávia!! É necessário que os educadores assumam parte desta responsabilidade de interagir nesse mundo digital que cresce constantemente para assim atender melhor a demanda estudantil.

    ResponderExcluir
  14. Excelente Flávia!! É necessário que os educadores assumam parte desta responsabilidade de interagir nesse mundo digital que cresce constantemente para assim atender melhor a demanda estudantil.



    Vera Lúcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vera, agradeço sua visita e o compartilhamento da sua opinião conosco. Precisamos, enquanto educadores, procurar entender e adaptar-se às mudanças que permeiam a educação atual. Volte sempre, Vera!

      Excluir